Blog

Baby Blues ou Depressão Pós-Parto?

Depois da chegada de um bebê em uma família existe muita comemoração, porém, também é possível acontecer o chamado Baby Blues ou depressão pós-parto, você sabe a diferença?
Depressão pós parto psicologa karla cardozo

Depois de nove meses de espera, a chegada de um novo membro na família é muitas vezes um momento de intensa comemoração. E de muitas mudanças. Junto com a adaptação deste novo ser à vida aqui fora, os pais precisam se adequar às necessidades do bebê.

Privação de sono, compreender e identificar as necessidades do bebê, entender os choros e seus motivos, aprender a amamentar e ensinar o recém-nascido a mamar… Esses são alguns dos desafios visíveis que vão para casa junto com a família. Um desses desafios acontece silenciosamente com a mãe em resguardo: depois de tantos meses com hormônios em alta produção em seu corpo, o nascimento do bebê causa uma nova revolução hormonal.

A biologia explica: durante a gestação, a produção de estrógeno e progesterona, que são hormônios importantíssimos no preparo do corpo para gerar e manter esse bebê, é muito alta durante os 9 meses, mas sofre uma queda abrupta no pós-parto, sendo esses hormônios substituídos pela prolactina, que é o hormônio da amamentação.

No meio de tantas mudanças, com essa brusca alternância hormonal, somada aos desafios mais óbvios e à pressão social com os primeiros cuidados, é muito comum que a mulher se sinta frágil, assustada, um tanto ansiosa e com dificuldade de se reconhecer como a pessoa de antes. Em outras palavras, ela pode manifestar o que popularmente é conhecido como baby blues puerperal – uma tristeza passageira pós parto.

Uma das importantes diferenças entre o baby blues e a depressão pós-parto é o seu tempo de duração. O primeiro atinge entre 50% a 80% das mulheres e tem início mais ou menos 3 dias após o parto e dura de 2 a 3 semanas, mas pode chegar até 45 dias. O baby blues é fisiológico, normal, esperado e não precisa de tratamento, apenas paciência e tempo. Já a depressão pós-parto, que atinge cerca de 1 em cada 4 mulheres no Brasil, dura muito mais do que os “poucos” dias de baby blues. A depressão é um transtorno de humor, que precisa de tratamento e não tem uma única causa.

A depressão pode trazer emoções muito intensas ou incapacitar a mãe no pós-parto, fazendo com que ela diminua os cuidados com o recém-nascido ou com ela mesmo. Isso não significa que ela não ame seu filho, mas, que ela precisa de ajuda de um psicoterapeuta.

Como reconhecer a depressão pós-parto

O diagnóstico da depressão pós-parto não é tão simples. No início pode ser confundido com baby blues ou cansaço, estresse. Por ser um momento delicado e inteiramente novo (mesmo no caso de um segundo filho) é preciso levar em conta a privação de sono, a readequação da rotina e as relações com a família. Mas se o quadro não melhorar ou se agravar nos primeiros 15 dias, esse é um sinal de alerta.

Entre os sintomas, também estão:

  • Mudanças de humor;
  • Ansiedade;
  • Choro excessivo;
  • Perda de interesse em coisas que antes gostava, como assistir tv ou ler;
  • Insônia ou sonolência;
  • Perda de apetite;
  • Tristeza, não relacionada ao filho ou seu nascimento;
  • Falta de interesse sexual;
  • Desenvolver TOCs, Síndrome do Pânico ou outros medos que não tinha antes

É preciso estar atento aos sintomas, pois a depressão pós-parto pode surgir até 2 anos depois do nascimento.

Além desses sinais, há fatores de risco que contribuem para o desenvolvimento da doença, como histórico de depressão durante a gestação ou em antes, mesmo que já tratada, ansiedade durante a gravidez, perdas gestacionais, gravidez indesejada, membros da família com depressão ou diagnóstico de outros transtornos. Quem já sofreu depressão pós-parto em uma gestação anterior, tem cerca de 50% de chances de sofrer de novo.

Depressão pós-parto é só na mãe?

Não. Mesmo que menos frequente, o companheiro também pode sofrer e adoecer. A depressão pós-parto atinge cerca de 10% dos pais, sendo mais comuns nos de primeira viagem ou nos que não estavam preparados para a chegada do bebê. Pode parecer um número pequeno, mas, quando pensamos em milhões de pais, vemos que é um número significativo.

E se analisarmos a influência que esse pai tem na família, ao dividir os cuidados do bebê com uma mãe que já está fragilizada com a revolução hormonal, percebemos o quanto é importante o diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto. Esse transtorno tem impacto direto na nova relação familiar que está sendo estabelecida.

Os homens também sentem inseguranças e ansiedade durante a gestação da companheira. A diminuição de “atenção” e “cuidados” que pode passar a receber antes e após o nascimento (levando a um sentimento de exclusão), o fato de já ter sido diagnosticado anteriormente com depressão ou outros transtornos psicológicos além da cultura patriarcal de não falar sobre os seus sentimentos são fatores que contribuem para o surgimento e agravamento dessa doença.

Enquanto o diagnóstico da mãe pode ser dificultado por falta de apoio familiar ou até profissional em reconhecer os sintomas, no caso dos homens, a dificuldade pode estar no mito de que a depressão pós-parto só atinge às mães. A mesma crença de que homens não devem falar sobre o que sentem também os impede de reconhecer os sintomas dessa doença neles, dificultando na busca do diagnóstico e tratamento.

Por isso que é importante o acompanhamento psicológico antes, durante e após a gestação. Os pais precisam buscar conhecimento e se preparar para os novos desafios que estão por vir e o apoio de um psicoterapeuta pode facilitar a transição de uma vida a dois para esta nova configuração.

Acredito que estou com depressão pós-parto. E agora?

Você precisa procurar a ajuda de um psicólogo. Como falamos a pouco, um acompanhamento com um profissional de confiança antes e durante a gestação pode evitar que você adoeça ou caso já esteja doente, que seu caso se agrave. Mas se você e seu parceiro não estavam tendo esse acompanhamento, o ideal é procurar um psicólogo. A terapia é fundamental.

Em alguns casos, será necessário fazer uso de medicação, mas isso só um profissional poderá avaliar e prescrever. Não tratar a depressão pós-parto pode trazer prejuízos para o vínculo que está sendo estabelecido entre a mãe, o bebê e o pai. Existem também grupos de apoio que podem ajudar nesse momento de redescoberta familiar. O importante é tratar a depressão pós-parto como ela é: uma doença que precisa tratamento.

Eu posso ajudar. Podemos fazer uma teleconsulta (video chamada), ou podemos agendar um atendimento presencial.

Cuide bem de você! =D

Isso foi útil?
+1
0
+1
0
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias

A meditação e seus benefícios 1

A meditação e seus benefícios

Sabia que além de acompanhamento psicológico, remédios e atividade física, a meditação também pode ajudar no tratamento da ansiedade.

Transtornos mentais causados pelo trabalho 2

Transtornos mentais causados pelo trabalho

Já ouviu a famosa frase: o trabalho dignifica o homem? Mas o que fazer quando ele se torna uma fonte de desenvolvimento e agravamento de doenças psicológicas?

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução 3

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução

Todo mundo conhece alguém que já passou por um evento traumático que gostaria de esquecer. Mas quando essas memórias negativas começam a atrapalhar sua vida no presente por muito tempo, é hora de investigar se você não desenvolveu estresse pós-traumático.

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática 4

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática

Você sabe a importância do acompanhamento psicológico na cirugia ortognática?

Teste: será que você tem hipocondria? 5

Teste: será que você tem hipocondria?

Quando você ouve falar de uma doença já fica preocupado, acreditando que pode estar sofrendo dela? Quando sente uma dor, faz várias buscas na internet, já imaginando ter a pior doença sugerida? Será que é hora de buscar ajuda.

Você conhece as principais abordagens da psicologia? 6

Você conhece as principais abordagens da psicologia?

Existe uma grande quantidade de abordagens disponíveis dentro da psicologia para cuidar da nossa saúde mental, descubra qual pode ser mais adequada pra você!

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares 7

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares

A gravidez é um período de muita felicidade, mas também vulnerabilidade física e emocional e ter um apoio psicológico é fundamental para aliviar o turbilhão de emoções vivenciado pela família.

As causas psicológicas da insônia 8

As causas psicológicas da insônia

Dormir tem sido um desafio na sua vida? Saiba as causas psicológicas da insônia e como um psicólogo pode ajudar você a se libertar desse problema.

Vamos conversar?
1
Precisa de ajuda?
Olá, tudo bem? 👋
Às vezes precisamos de uma mãozinha com alguns problemas. Um psicologo pode te ajudar em vários desses problemas. Agende seu primeiro atendimento!