Blog

Com pequenas mudanças de hábitos, você pode dar um chega pra lá na depressão

A depressão atinge grande parte da população porém ainda é um desafio para os pacientes e médicos.

A depressão é um transtorno mental que produz alterações do humor, caracterizada por uma tristeza profunda num período de tempo longo e persistente, podendo atingir qualquer pessoa, desde crianças a idosos. A depressão pode durar semanas ou até mesmo anos. Na maioria das vezes, o tratamento é feito em conjunto com um psiquiatra, unindo medicamentos e mudança de hábitos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de pessoas afetadas pela depressão já chega a 322 milhões em todo o mundo. No Brasil, 1,5 milhões de pessoas são afetadas pela depressão e infelizmente, esses números crescem a cada ano.

Diferença entre tristeza e depressão

É muito comum que as pessoas confundam tristeza e depressão, porém apesar deles terem muitos pontos em comum, são coisas totalmente diferentes.

A tristeza é um sentimento causada por uma situação de perda, quebra de expectativas ou por alguma situação que nos magoe. Ela faz parte da vida de todas as pessoas e é uma reação psicológica natural que não indica nenhum transtorno mental.

A depressão é um distúrbio emocional reconhecido como uma doença. É verdade que a depressão apresenta a tristeza como um dos seus sintomas, porém ela vai muito além, trazendo um conjunto de outros sintomas.

Sintomas para o diagnóstico da depressão

O diagnóstico preciso da depressão pode ser dado somente por um psiquiatra. A depressão pode ser classificada como leve, moderada ou grave. Após o diagnóstico, o médico orienta sobre o tratamento específico.

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), para que seja realizado o diagnóstico, cinco ou mais dos seguintes indicadores devem ter estado presentes quase todos os dias durante o período de no mínimo 2 (duas) semanas, sendo que um deles obrigatoriamente seja humor deprimido ou perda de interesse/prazer. Segue a lista:

  1. Humor deprimido na maior parte do dia;
  2. Acentuada diminuição de interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades;
  3. Perda ou ganho significativo de peso sem estar fazendo dieta ou redução ou aumento no apetite;
  4. Insônia ou hipersonia;
  5. Agitação ou retardo psicomotor;
  6. Fadiga ou perda de energia;
  7. Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada;
  8. Capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, ou indecisão;
  9. Pensamentos recorrentes de morte (não somente medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, tentativa de suicídio ou plano específico para cometer suicídio.

Depressão… aqui não!

Você se identificou ou conhece alguém que apresenta alguns dos sintomas acima? Agora vamos falar um pouco sobre pequenas atitudes que podem te ajudar a dar um chega pra lá na depressão.

Inicie uma atividade física

Por mais desanimado que você esteja, tente praticar alguma atividade física que você goste pelo menos e 3 a 4 vezes por semana, de forma regular. Um estilo de vida saudável e ativo contribui para prevenção e tratamento da depressão. Busque uma atividade que te dê prazer como corrida, musculação, natação, aulas de dança, etc.

Dica: Prefira atividades em grupo (grupos de corrida, aulas coletivas, etc.) e marque um horário e se comprometa a não faltar.

Busque uma alimentação mais saudável

Em alguns casos, pessoas que apresentam sintomas de depressão perdem a vontade de se alimentar, ocasionando perda de peso e aumentando o sentimento de desanimo pois seu corpo não esta se nutrindo adequadamente. O contrário disso também pode acontecer, onde pessoas acabam por comer em excesso, buscando a comida como um conforto para o que está sentindo.

A nutrição tem papel importante na química cerebral, manutenção da saúde e funcionamento adequado do corpo. Uma alimentação de qualidade e equilibrada ajudam a produzir mais serotonina, aumentando o bom humor e ajudando no combate da depressão.

Para alcançar melhores resultados através da alimentação, busque o auxílio de um médico, um endocrinologista por exemplo, para avaliar se o seu corpo esta em falta de alguma vitamina e um
nutricionista, para reorganizar e te ajudar a adquirir novos hábitos alimentares.

Inicie uma nova atividade em grupo

Quando estamos tristes, temos uma tendência a nos isolarmos de pessoas e atividades que gostamos. Quando a pessoa está num quadro depressivo, perdemos a vontade de fazer coisas que antes nos traziam alegria.

Busque atividades que você consiga fazer com outras pessoas e ao ar livre, de preferência. Algumas opções que eu indico são aulas de música ou instrumento musical, pintura, culinária, artesanato, dança, dentre outras. Se você é daquelas pessoas que gostam de um desafio, tente alguma atividade nova. Um processo de novas descobertas pode ser muito energizante. O mais importante é buscar algo que você se identifica e mãos a obra!

Se identificou com os sintomas? Procure um psicólogo!

Se alguns itens dessa lista estão presentes no seu dia a dia, não fique com vergonha de procurar ajuda. A medicação traz um equilíbrio ao corpo reduzindo os sintomas da depressão, porém a medicação não resolve as questões emocionais envolvidas na depressão. Lembre-se, o uso de medicação sempre deve ser feita sob orientação médica. A automedicação pode mascarar ou agravar um quadro clínico.

O acompanhamento com um psicólogo é indispensável no tratamento, pois ele vai te ajudar a reconhecer suas falhas de percepção em relação a sua vida e a refletir sobre novos caminhos e atitudes para uma vida mais leve e saudável, afinal também temos que cuidar da nossa saúde mental.

Gostou? Compartilhe esse post em suas redes sociais. Outras pessoas podem estar precisando dessas dicas  😉

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias

O impacto das más notícias na saúde mental 1

O impacto das más notícias na saúde mental

A busca constante por notícias negativas nos meios de comunicação é um vício mais comum do que se imagina.

Traumas da infância podem influenciar na vida adulta 2

Traumas da infância podem influenciar na vida adulta

Entenda como traumas vividos na infância podem afetar uma pessoa na fase adulta

Como lidar com a frustração? 3

Como lidar com a frustração?

Experimentar frustrações faz parte da vida, mas você sabe lidar com elas?

Como saber se estou tendo uma Crise Existencial? 4

Como saber se estou tendo uma Crise Existencial?

Você se sente perdido, paralisado e que nada mais tem sentido? Isso pode ser um sinal da crise existencial.

Como parar o ato de procrastinar? 5

Como parar o ato de procrastinar?

Não é uma tarefa fácil abandonar o ciclo vicioso, mas com estratégias inteligentes é possível

Nomofobia: o medo excessivo de ficar sem celular 6

Nomofobia: o medo excessivo de ficar sem celular

A dependência no uso do excessivo celular pode desencadear diversos transtornos psicológicos

Perfeccionismo: entenda como tentar ser perfeito o tempo todo afeta sua mente 7

Perfeccionismo: entenda como tentar ser perfeito o tempo todo afeta sua mente

Este traço de personalidade pode ter um lado bom e um lado ruim, de qual você está?

Como lidar com a ansiedade no trabalho 8

Como lidar com a ansiedade no trabalho

Crises de ansiedade no trabalho prejudicam sua vida e carreira profissional, entenda como lidar com essa problemática

Agendar atendimento
1
Precisa de ajuda?
Olá, tudo bem? 👋

Às vezes precisamos de ajuda com alguns dos nossos problemas! Eu posso te ajudar!