Blog

Entender o bullying para vencê-lo

Por décadas, estivemos acostumados com o bullying em certos ambientes e esta prática que vem deixando uma longa história de traumas na vida das pessoas.
adolescente sofrendo bullying

Você provavelmente já viu ou vivenciou o bullying ainda na infância. Sem qualquer justificativa plausível, uma criança escolhe outra para agredir física e/ou verbalmente,  mantendo essas agressões com frequência, por um período longo de tempo.

Não é só brincadeira e a prática não “engrossa o couro”, fazendo crianças mais fortes, muito pelo contrário. Comumente as vítimas de bullying têm piores resultados na escola, desenvolvem depressão, ansiedade, baixa autoestima, sobrepeso e outros problemas bastante reais de saúde. Pior do que tudo isso, hoje o bullying já é reconhecido pelas organizações internacionais como um dos principais responsáveis por suicídio entre crianças e adolescentes de todo o mundo.

O bullying é uma prática tão destrutiva que seus efeitos sociais, psicológicos e até econômicos podem ser sentidos por um indivíduo décadas depois. Um estudo do instituto londrino King’s College (use o Google Tradutor se não for familiarizado com o inglês), feito com pessoas acima de 40 anos que sofreram bullying enquanto crianças, mostra que quem passa por essa experiência tende a ter mais dificuldade em estabelecer relacionamentos, em se manter em um emprego, e tem até pensamentos suicidas com uma frequência maior.

Por esses motivos é importante entender esse fenômeno, para reconhecer e combatê-lo na raiz. Vidas dependem disso. 

O que é o bullying?

Segundo publicado pela Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, bullying pode ser definido como tipo de comportamento agressivo repetitivo de uma criança ou adolescente, cujo objetivo é causar dano físico ou moral a outro indivíduo que seja incapaz de se defender.

As agressões podem se manifestar verbalmente na forma de ameaças, ridicularização, humilhação, intimidação ou xingamentos, podem ser de fato agressões físicas, ou podem ser uma combinação das duas.

Diferente de uma agressão comum, que se dá por um ou outro episódio específico, o bullying tem como principal diferencial se repetir com frequência, contra os mesmos alvos.

Como reconhecer o bullying no dia a dia

Perceber o bullying em ação pode ser um desafio para pais, responsáveis, professores e equipe técnica de escolas.

Isso porque muito frequentemente a humilhação sofrida implica em muita vergonha e medo de retaliações para quem é vítima, que pode sentir que será visto como covarde por outros colegas, ou que estará em grande perigo se denunciar o colega agressor.

Do outro lado, o praticante das agressões costuma não fazê-la de maneira aberta e visível a todos, e quando é pego no ato ou denunciado, tende a justificar a violência como parte de uma brincadeira.

De qualquer forma é possível perceber certas mudanças no comportamento da vítima, que deverá apresentar um ou mais dos sinais abaixo:

  • Ansiedade, raiva ou medo relacionados à escola ou ao ambiente onde tem contato com o agressor
  • Falta ou excesso de apetite
  • Dificuldade de socializar
  • Dificuldade para dormir
  • Cansaço geral
  • Tristeza ou angústia
  • Medo excessivo de rejeição
  • Desinteresse em atividades de lazer
  • Diarreia, dores de cabeça e dores de barriga recorrentes
  • Pensamentos suicidas

O que fazer?

Pais cujo filho é comprovadamente um agressor não podem minimizar o problema. Devem agir rapidamente para evitar que o filho continue praticando bullying, tanto pelo respeito à saúde e integridade física e emocional de seus colegas, quanto pelo futuro do próprio agressor.

Isso porque o bullying (que funciona basicamente desrespeitando as regras de convívio e os direitos do outro) predispõe o desenvolvimento de comportamentos delinquentes na infância e adolescência. E consolidando comportamentos delinquentes, há uma séria ameaça de que o jovem venha a desenvolver comportamentos potencialmente criminosos mais tarde. É o que afirma o estudioso criminologista Lélio Calhau em seu livro Bullying: o que fazer.

Pais de vítimas do bullying devem conversar com seus filhos para entender como ocorrem as agressões e para garantir que eles estarão em segurança quando o assunto for levado para resolução. O próximo passo é procurar a coordenação da escola ou do ambiente onde ocorrem as agressões e exigir providências, se necessário com apoio de um advogado, já que há hoje leis que reconhecem o problema do bullying, uma delas (em tramitação) inclusive já tipificando o bullying como crime descrito no código penal, passível de punições como qualquer outro.

Buscar apoio psicológico

Mesmo que interrompido, o bullying não desaparece sem deixar marcas na saúde mental das crianças e adolescentes. Por isso, é imprescindível o apoio de um psicólogo para ajudar a lidar com os resquícios psicológicos da agressão, e a superar essa experiência tão traumática.

O psicólogo poderá fazer o acompanhamento em todas as etapas desse processo, desde antes da intervenção dos pais, para descobrir o bullying e orientar as partes, até depois do fim das agressões.

Ele poderá realizar terapias para ajudar o jovem a trabalhar sua autoestima e deixar de sentir a vergonha por ser vítima dessa violência. Lembrando que o bullying provoca sintomas de várias disfunções psicológicas, o psicólogo também poderá aplicar técnicas para controlar a ansiedade, para restabelecer a capacidade de sociabilização, para controlar o medo e outros sentimentos causados pelo bullying.

Se o seu filho está sofrendo bullying ou praticando essa agressão contra seus colegas, eu posso ajudar. Sou psicóloga, autorizada pelo Conselho Regional de Psicologia para atender presencialmente ou online. Agende consulta comigo pelo número (27) 99978-0990 ou pelo WhatsApp.

Juntos, nós podemos vencer o problema do bullying e suas consequência.

Isso foi útil?
+1
0
+1
0
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias

A meditação e seus benefícios 1

A meditação e seus benefícios

Sabia que além de acompanhamento psicológico, remédios e atividade física, a meditação também pode ajudar no tratamento da ansiedade.

Transtornos mentais causados pelo trabalho 2

Transtornos mentais causados pelo trabalho

Já ouviu a famosa frase: o trabalho dignifica o homem? Mas o que fazer quando ele se torna uma fonte de desenvolvimento e agravamento de doenças psicológicas?

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução 3

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução

Todo mundo conhece alguém que já passou por um evento traumático que gostaria de esquecer. Mas quando essas memórias negativas começam a atrapalhar sua vida no presente por muito tempo, é hora de investigar se você não desenvolveu estresse pós-traumático.

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática 4

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática

Você sabe a importância do acompanhamento psicológico na cirugia ortognática?

Teste: será que você tem hipocondria? 5

Teste: será que você tem hipocondria?

Quando você ouve falar de uma doença já fica preocupado, acreditando que pode estar sofrendo dela? Quando sente uma dor, faz várias buscas na internet, já imaginando ter a pior doença sugerida? Será que é hora de buscar ajuda.

Você conhece as principais abordagens da psicologia? 6

Você conhece as principais abordagens da psicologia?

Existe uma grande quantidade de abordagens disponíveis dentro da psicologia para cuidar da nossa saúde mental, descubra qual pode ser mais adequada pra você!

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares 7

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares

A gravidez é um período de muita felicidade, mas também vulnerabilidade física e emocional e ter um apoio psicológico é fundamental para aliviar o turbilhão de emoções vivenciado pela família.

As causas psicológicas da insônia 8

As causas psicológicas da insônia

Dormir tem sido um desafio na sua vida? Saiba as causas psicológicas da insônia e como um psicólogo pode ajudar você a se libertar desse problema.

Vamos conversar?
1
Precisa de ajuda?
Olá, tudo bem? 👋
Às vezes precisamos de uma mãozinha com alguns problemas. Um psicologo pode te ajudar em vários desses problemas. Agende seu primeiro atendimento!