Blog

Setembro Amarelo: um alerta para o risco do suicídio

Saiba como identificar e ajudar alguém que possa estar com risco de cometer suicídio.

Você sabia que cerca de 97% das pessoas que cometeram suicídio tinha algum transtorno mental? O setembro amarelo é uma campanha realizada em prevenção ao suicídio, uma das principais causas de mortalidade em alguns segmentos da sociedade, no Brasil e no mundo. No nosso país, são registrados cerca de 12 mil casos ao ano, chegando a 1 milhão de pessoas mundialmente. Esse número ainda é mais alarmante quando se considera as tentativas malsucedidas, tornando o suicídio uma epidemia silenciosa.

Suicídio é definido como o ato de causar a própria morta, de forma deliberada e intencional. Pensamentos, planos e ações que levem a este fim são considerados como comportamentos suicidas. Distúrbios psicológicos estão entre as principais causas, afetando praticamente todos os que buscaram essa atitude extrema como solução.

Pessoas com depressão, ansiedade e outros distúrbios como transtorno bipolar, esquizofrenia, transtorno de personalidade e com histórico de abusos de drogas lícitas ou ilícitas (álcool, maconha, crack e cocaína, por exemplo) fazem parte do grupo de risco.

Entenda a relação entre suicídio e transtornos mentais

Existem vários transtornos psicológicos e o número de pessoas que sofrem com eles cresce a cada dia. Esses distúrbios se apresentam de formas diferentes e são normalmente caracterizados por uma combinação de emoções, pensamentos e ações que levam ao indivíduo ter uma percepção alterada da realidade, prejudicando as relações afetivas, sociais e causando até problemas físicos, afetando assim o bem estar e saúde de quem sofre.

Por exemplo, a depressão, que é o transtorno mais comum entre aqueles que tentam suicídio, se manifesta como uma tristeza profunda e prolongada, apatia, indiferença e pessimismo, que podem levar o indivíduo a acreditar que não há outra solução para seu problema.

Por ser uma doença que se manifesta de diversas formas, alguém que sofre com ansiedade, que é uma enfermidade que pode impactar no nosso corpo e mente, pode ter dificuldade em reconhecer e lidar com os sintomas, que vão desde tensão muscular, taquicardia, falta de ar, alteração de sono, até uma preocupação excessiva, medos irracionais e a sensação de estar à beira de um ataque de nervos.

Essa dificuldade em compreender que se trata de um transtorno pode levar a uma angústia profunda, e fazer a pessoa buscar a morte.

Que sinais servem de alerta para se prevenir o suicídio?

Além de reconhecer a presença de um distúrbio psicológico, é importante ficar atento a outros indícios de que uma situação preocupante possa estar se aproximando. Abaixo listamos algumas mudanças de comportamento que podem ajudar nessa prevenção:

Redução do autocuidado

É quando o indivíduo passa a ser negligente com alguns hábitos, como higiene pessoal, ou ter um ser descuido em relação à vaidade. Pode-se perceber também uma indiferença por hobbies e assuntos que antes eram interessantes.

Isolamento social

O desinteresse de viver a própria vida pode levar a uma desconexão da realidade e causar um isolamento do convívio social. Começar a se isolar, evitar a proximidade familiar, de amigos e até de um relacionamento amoroso é também um sinal de alerta.

Mudanças bruscas de humor

Alterações que antes não eram frequentes, saindo da alegria para tristeza subitamente, atitudes violentas e outras mudanças incomuns, podem se caracterizar como comportamentos de alerta.

Automutilação

A automutilação é um comportamento que pode indicar a existência de algum transtorno mental. Mais comum entre os jovens, é um sinal de atenção para pais e cuidadores.

Uso abusivo de drogas

O uso excessivo de drogas lícitas e ilícitas, como o álcool, cocaína e crack, por exemplo, e a ingestão de drogas de forma combinada (álcool com cocaína) pode sinalizar um comportamento suicida. É importante que a família e amigos desse indivíduo fiquem atentos e o ajudem a buscar ajuda.

Como conversar com alguém que está com um pensamentos suicidas

O ideal sempre é auxiliar a pessoa que apresenta comportamento suicida a buscar ajuda profissional especializada. Mas em alguns casos, falar sobre o problema com alguém pode aliviar temporariamente a tensão e angústia que os pensamentos trazem, abrindo caminho para a possibilidade do tratamento. Assim, se acredita que pode ajudar alguém, siga essas dicas:

  • Procure um local tranquilo para conversar;
  • Seja empático, escute sem julgamentos e evite apresentar conselhos ou sugestões. Muitas vezes a pessoa só precisa ser ouvida;
  • Dê atenção total, tenha tempo para ouvir;
  • Tenha paciência. Algumas vezes será preciso mais de uma tentativa para que a outra pessoa se abra;
  • Se certifique de que a pessoa saiba como pedir ajuda profissional;
  • Deixe claro que há maneiras já comprovadas de eliminar ou aliviar os sintomas que a pessoa está tendo, com tratamento especializado.

Tratamento especializado como solução

O tratamento dos transtornos mentais está como um dos principais pilares na prevenção do suicídio. Por sua alta prevalência, a depressão é a doença mental mais frequente entre suicidas e seu diagnóstico e tratamento imediato é uma forma de salvar vidas.

O estigma e tabu que ainda hoje acompanham um diagnóstico de transtorno psicológico são aspectos que dificultam a detecção precoce e assim a prevenção do suicídio. Por isso, se você reconhece algumas das características citadas no artigo em você ou em um amigo ou familiar, ofereça ou busque ajuda.

Se identificou com o texto acima? Alguma dúvida sobre o assunto? Use os espaço dos comentários para enviar suas dúvidas. As consultas são agendadas e podem ser realizadas de forma presencial ou online. Entre em contato pelo número (27) 99978-0990 ou pelo WhatsApp.

Cuide bem de você! =D

Isso foi útil?
+1
0
+1
0
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias

A meditação e seus benefícios 1

A meditação e seus benefícios

Sabia que além de acompanhamento psicológico, remédios e atividade física, a meditação também pode ajudar no tratamento da ansiedade.

Transtornos mentais causados pelo trabalho 2

Transtornos mentais causados pelo trabalho

Já ouviu a famosa frase: o trabalho dignifica o homem? Mas o que fazer quando ele se torna uma fonte de desenvolvimento e agravamento de doenças psicológicas?

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução 3

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução

Todo mundo conhece alguém que já passou por um evento traumático que gostaria de esquecer. Mas quando essas memórias negativas começam a atrapalhar sua vida no presente por muito tempo, é hora de investigar se você não desenvolveu estresse pós-traumático.

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática 4

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática

Você sabe a importância do acompanhamento psicológico na cirugia ortognática?

Teste: será que você tem hipocondria? 5

Teste: será que você tem hipocondria?

Quando você ouve falar de uma doença já fica preocupado, acreditando que pode estar sofrendo dela? Quando sente uma dor, faz várias buscas na internet, já imaginando ter a pior doença sugerida? Será que é hora de buscar ajuda.

Você conhece as principais abordagens da psicologia? 6

Você conhece as principais abordagens da psicologia?

Existe uma grande quantidade de abordagens disponíveis dentro da psicologia para cuidar da nossa saúde mental, descubra qual pode ser mais adequada pra você!

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares 7

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares

A gravidez é um período de muita felicidade, mas também vulnerabilidade física e emocional e ter um apoio psicológico é fundamental para aliviar o turbilhão de emoções vivenciado pela família.

As causas psicológicas da insônia 8

As causas psicológicas da insônia

Dormir tem sido um desafio na sua vida? Saiba as causas psicológicas da insônia e como um psicólogo pode ajudar você a se libertar desse problema.

Vamos conversar?
1
Precisa de ajuda?
Olá, tudo bem? 👋
Às vezes precisamos de uma mãozinha com alguns problemas. Um psicologo pode te ajudar em vários desses problemas. Agende seu primeiro atendimento!