Blog

Teste: será que você tem hipocondria?

Quando você ouve falar de uma doença já fica preocupado, acreditando que pode estar sofrendo dela? Quando sente uma dor, faz várias buscas na internet, já imaginando ter a pior doença sugerida? Será que é hora de buscar ajuda.

Lucas acordou assustado de madrugada sentindo o braço formigando, dormente. Pegou o celular que estava ao lado e já começou a pesquisar: “braço dormente doença”. Apareceram alguns resultados como má postura ao dormir, álcool em excesso, falta de vitamina B12, cálcio ou potássio, mas o que chamou a atenção de Lucas foram as respostas: ataque cardíaco, derrame cerebral. Ele acordou a esposa dizendo que precisavam correr para a emergência por que ele tinha certeza que algo muito grave estava acontecendo.

Em outra casa, Carol começou a perceber que estava indo com frequência ao banheiro e que sua urina estava clara. Ao ligar o computador, digitou: “urina clara diabetes”. Se ela procurasse apenas por “frequência ao urinar”, poderia desconfiar de uma gravidez ou infecção urinária, mas para Carol, os doces do final de semana tinham resultado em uma doença mais séria. Ela logo marcou consulta com um clínico geral e dois endocrinologistas diferentes, para ter certeza de que seria bem acompanhada.

Pessoas como Lucas e Carol podem ser chamadas de hipocondríacas. A hipocondria é um transtorno psicológico, que quando presente provoca na pessoa uma forte impressão de que ela está sofrendo de alguma doença grave, mesmo que os sintomas apresentados sejam comuns e de baixa intensidade, e que não haja nenhuma evidência médica dessa doença.

Por esse motivo, os hipocondríacos têm uma preocupação excessiva com a saúde, vão ao médico com frequência fazer check-up e muitas vezes procuram mais de uma opinião profissional.

Quem sofre desse transtorno também costuma ter um grande medo da morte, construído a partir do estado de insegurança, preocupação e ansiedade em que a pessoa se encontra em todas as horas do seu dia. Essas emoções por si só são capazes de gerar outros sintomas desagradáveis (insônia, dores no peito, dores de cabeça, cansaço etc.), intensificando a impressão de que há uma doença grave acontecendo.

O que leva uma pessoa a desenvolver hipocondria?

Não se sabe ao certo o que leva uma pessoa a desenvolver hipocondria, mas alguns fatores de risco foram identificados. Passar por eventos traumáticos, perdas familiares, doenças graves, histórico familiar (outros membros da família com essa patologia), ter outros transtornos como ansiedade, depressão, transtorno compulsivo obsessivo, estão entre esses fatores. Ter pais ausentes também é um fator de risco, isso por que a falta de afetividade faz com que o hipocondríaco procure de outras formas a atenção das pessoas ao seu redor, nesse caso, por meio de doenças. 

Como posso saber se tenho hipocondria?

Na história do Lucas e da Carol podemos identificar alguns sintomas clássicos de hipocondríacos: o medo surgido a partir de sensações corporais comuns, como a dormência, e a visita frequente a médicos.

Quando está doente, a pessoa que sofre com este transtorno também tende a agravar os sintomas. Vamos agora ver outros indícios da hipocondria:

  • Buscar por si só exames de grande complexidade
  • Checar frequentemente os sinais vitais
  • Não confiar nos resultados dos exames ou nos diagnósticos
  • Ansiedade permanente sobre seu estado de saúde
  • Necessidade de pesquisar ou falar sobre a doença que acredita ter
  • Se automedicar

Estar atento à própria saúde é normal, mas quem tem esse transtorno sofre com uma preocupação excessiva e precipitada, tendo dificuldades também em aceitar que não é portador de nenhuma doença grave. Ao ser diagnosticada com um ou mais transtornos psicológicos (e não a doença que esperava ter), a pessoa poderá até mesmo se sentir ofendida, pode ainda acreditar que está sendo enganada, ou que sua saúde está sendo negligenciada pelo profissional de saúde.

Mas é possível que uma ou mais dessas características se apresentem em pessoas de diferentes diagnósticos. Por isso, deixo a seguir um teste rápido para que você veja se é hora de buscar ajuda.

Cada uma das perguntas abaixo tem 3 respostas possíveis, marcadas como A, B e C. Anote a quantidade de respostas que você dá para cada letra e no final poderemos fazer uma avaliação. Vamos lá?

Ao sentir uma dor de cabeça persistente, formigamento em alguma parte do corpo ou tontura, você:

A) Se os sintomas durarem mais de um dia, agendo uma consulta.
B) Começo imediatamente a procurar informações na internet sobre esses sintomas, com atenção às doenças mais graves.
C) Corro para o pronto atendimento, pois posso estar tendo um AVC ou um problema de saúde grave, então é melhor prevenir.

O quanto você confia na avaliação de profissionais de saúde?

A) Raramente eu duvido de diagnósticos dados por profissionais de saúde.
B) Costumo aceitar a avaliação, mas sempre faço minha própria pesquisa antes e depois de receber resultados de exames e avaliações médicas.
C) Buscar informações sobre saúde é rotina. Só consigo ficar mais ou menos tranquilo tendo ouvido duas ou mais opiniões médicas diferentes.

Quando seus exames de sangue ou urina retornam mostrando alguma alteração, algo fora dos valores de referência, você geralmente pensa:

A) Não deve ser nada grave, na próxima consulta o médico vai me passar um tratamento e isso vai ser corrigido.
B) Preciso encontrar alguém que me explique esses exames o mais rápido possível.
C) É muito provável que seja algo grave, relacionado com algum sintoma que eu já tenho, então preciso de atendimento médico urgente.

Quando você tem um dia muito estressante ou fisicamente desgastante, geralmente:

A) Você fica bastante cansado, mas é capaz de se desligar quando o dia acaba.
B) Após o dia tem dificuldades para relaxar, mas poderá tomar algum remédio da sua própria farmacinha para ajudar com isso.
C) Tem bastante medo de atingir o desgaste máximo que seu corpo aguenta, e morrer de problema cardíaco ou de um derrame cerebral. Dificilmente conseguirá dormir depois de um dia assim, motivo pelo qual precisa de uma medicação forte o suficiente.

Quando você recebe a notícia de que alguém público ou uma pessoa próxima tem uma doença grave, você geralmente:

A) Sente-se mal pela pessoa, mas não necessariamente vê alguma correlação entre você e a doença.
B) Fica ansioso pensando que talvez você mesmo possa tê-la em algum momento da vida.
C) Pesquisa imediatamente os sintomas dessa doença e procura um médico, porque você tem alguns sintomas que podem estar relacionados então é provável que você possa estar sofrendo dela também.

Como você costuma lidar com remédios:

A) Só compro e uso remédios quando necessário. Sou capaz até de esquecer de usar.
B) Tenho remédios guardados para certas situações e costumo tomar por conta própria ao primeiro sinal de alguma doença.
C) Tenho muitos remédios guardados para as mais variadas ocasiões. Alguns desses poderão salvar minha vida eventualmente.

Assuntos sobre saúde, medicações e doenças:

A) Não tenho um interesse especial, só falo sobre quando há necessidade.
B) Apesar de não ser da área, eu sou bem informado, leio com alguma frequência, visando adiantar o tratamento caso eu desenvolva algum problema de saúde.
C) Estou sempre muito envolvido com assuntos sobre saúde, medicações e doenças, porque é dessa forma que eu posso garantir que vou me manter vivo no caso de ter alguma doença.

Sintomas físicos estranhos:

A) Talvez tenha tido em algum momento, mas foi uma vez ou outra.
B) Tenho com alguma frequência uns sintomas esquisitos.
C) Convivo diariamente com sintomas físicos desagradáveis que podem provavelmente ser de alguma doença, segundo já li.

Resultado

Se a maioria das suas respostas for de letra A, você está num nível saudável de preocupação com a sua saúde e não há necessidade de buscar tratamento para hipocondria.

Se suas respostas tiveram maioria em letra A e letra B, é possível que você esteja desenvolvendo um quadro de ansiedade, ou que esteja num momento estressante da vida. Procure fazer atividades físicas, dormir mais e se alimentar melhor. Um psicólogo pode assessorar nesse processo.

Se a maioria das suas respostas for de letra B, você deve estar sofrendo de ansiedade. Procure um psicólogo para cuidar disso e recuperar sua qualidade de vida.

Se suas respostas tiveram maioria em letra B e letra C, você já deve estar com ansiedade acentuada, já tem algum tipo de sofrimento diário com esse problema, e pode desenvolver algum outro transtorno se não buscar ajuda com um profissional.

Se a maioria da suas respostas for de letra C, são grandes as chances de que você tenha hipocondria ou um outro transtorno como síndrome do pânico, e deve estar sofrendo muito com ansiedade, insônia e medo, o que provoca prejuízos em vários campos da sua vida. A boa notícia é que tudo isso é tratável, então busque apoio com um psicólogo o quanto antes e acelere sua recuperação.

Como é o tratamento para a hipocondria?

A ansiedade está diretamente ligada à hipocondria. A angústia de não receber o diagnóstico que você acredita ter, a preocupação de que algo mais sério pode estar acontecendo e que ainda não foi descoberto pelos profissionais que lhe acompanham, o medo de ficar ou estar doente, são sensações que causam um comportamento ansioso.

Por isso, uma modalidade de tratamento excelente para quem sofre de hipocondria é a Terapia Cognitivo-Comportamental, também conhecida como TCC.

A abordagem costuma ter bons resultados com a hipocondria porque trabalha na eliminação gradual de crenças e comportamentos que ajudam a gerar este e outros transtornos, eliminando o problema na sua origem. O psicólogo irá ajudar o paciente a confrontar suas certezas, levando-o a refletir sobre a real necessidade de buscar vários especialistas ou quaisquer sintomas que o hipocondríaco esteja manifestando.

Eu trabalho no tratamento da ansiedade, com as técnicas da Terapia Cognitivo-Comportamental. Se você se identificou com o tema e acredita que precisa de ajuda, entre em contato pelo número (27) 99978-0990 ou pelo WhatsApp.  Podemos agendar uma consulta de forma presencial ou online. E se quiser tirar dúvidas sobre o assunto, pode usar o espaço dos comentários!

Cuide bem de você! =D

Isso foi útil?
+1
0
+1
0
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias

A meditação e seus benefícios 1

A meditação e seus benefícios

Sabia que além de acompanhamento psicológico, remédios e atividade física, a meditação também pode ajudar no tratamento da ansiedade.

Transtornos mentais causados pelo trabalho 2

Transtornos mentais causados pelo trabalho

Já ouviu a famosa frase: o trabalho dignifica o homem? Mas o que fazer quando ele se torna uma fonte de desenvolvimento e agravamento de doenças psicológicas?

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução 3

Transtorno de Estresse Pós-Traumático – As dores do passado também têm solução

Todo mundo conhece alguém que já passou por um evento traumático que gostaria de esquecer. Mas quando essas memórias negativas começam a atrapalhar sua vida no presente por muito tempo, é hora de investigar se você não desenvolveu estresse pós-traumático.

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática 4

Os efeitos psicológicos da Cirurgia Ortognática

Você sabe a importância do acompanhamento psicológico na cirugia ortognática?

Você conhece as principais abordagens da psicologia? 5

Você conhece as principais abordagens da psicologia?

Existe uma grande quantidade de abordagens disponíveis dentro da psicologia para cuidar da nossa saúde mental, descubra qual pode ser mais adequada pra você!

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares 6

Apoio psicológico no pré-natal para gestantes e familiares

A gravidez é um período de muita felicidade, mas também vulnerabilidade física e emocional e ter um apoio psicológico é fundamental para aliviar o turbilhão de emoções vivenciado pela família.

As causas psicológicas da insônia 7

As causas psicológicas da insônia

Dormir tem sido um desafio na sua vida? Saiba as causas psicológicas da insônia e como um psicólogo pode ajudar você a se libertar desse problema.

Depressão pós parto psicologa karla cardozo

Baby Blues ou Depressão Pós-Parto?

Depois da chegada de um bebê em uma família existe muita comemoração, porém, também é possível acontecer o chamado Baby Blues ou depressão pós-parto, você sabe a diferença?

Vamos conversar?
1
Precisa de ajuda?
Olá, tudo bem? 👋
Às vezes precisamos de uma mãozinha com alguns problemas. Um psicologo pode te ajudar em vários desses problemas. Agende seu primeiro atendimento!